Histórico

O Instituto Onça-Pintada (IOP) foi fundado em junho de 2002, por pesquisadores com amplo histórico de trabalho dedicado à espécie, e tem como missão "Promover a conservação da onça-pintada, suas presas naturais e seus habitats ao longo de sua área de distribuição, assim como a sua coexistência pacífica com o homem, através de pesquisa e estratégias de conservação”. O Brasil engloba a maior parte (48%) da distribuição geográfica da onça-pintada, que se estende do norte da Argentina até o sul dos Estados Unidos¹. No entanto, apesar de ser considerada ameaçada de extinção no Brasil e quase ameaçada pela IUCN, até a data da criação do Instituto, existiam poucos programas direcionados à conservação da espécie. Hoje o IOP é a única ONG dedicada exclusivamente a promover a conservação da onça-pintada. Atualmente desenvolve pesquisas científicas diretamente em quatro Biomas brasileiros (Amazônia, Cerrado, Caatinga e Pantanal) e em parceria com outras organizações (Mata Atlântica).

As linhas de pesquisa abrangem programas de monitoramento em longo prazo das populações de onças-pintadas e suas presas naturais em vida livre, programas de manejo para solucionar os conflitos entre esse predador e pessoas, especialmente o pecuarista, além de projetos de cunho cultural, educacional e social cujas ações contribuam para a conservação da onça-pintada, da biodiversidade e a redução dos efeitos do aquecimento global. Com o objetivo de facilitar a interação entre parceiros/patrocinadores estrangeiros às atividades do IOP no Brasil, foi fundado em 2004, nos Estados Unidos, o Jaguar Conservation Fund, instituição sem fins lucrativos com registro 501©3.

Leia uma entrevista com Leandro Silveira, Presidente do Instituto Onca-Pintada.

Referência

1 Sanderson E. W., Redford K. H., Chetkiewitz C. B., Medellin R. A., Rabinowitz A. R., Robinson J. G. e Taber A. B. 2002. Planning to Save a Species: the Jaguar as a Model. Conservation Biology 16 (1), 58-72.