Uso de Modelagem de Nicho Ecológico na Avaliação da Distribuição Geográfica da Onça-Pintada

Além da ocupação humana e conseqüente conversão de áreas naturais para produções agropecuárias, mudanças climáticas têm sido citadas como responsáveis por modificações relevantes na distribuição de várias espécies. Um dos maiores desafios para conservacionistas é a identificação de áreas prioritárias para reverter esses efeitos negativos.

Apesar da distribuição da onça-pintada ser bastante ampla, muitas de suas populações estão sofrendo declínio devido às pressões antrópicas Em conseqüência sua distribuição atual compreende somente 46% de sua extensão original (Sanderson et al., 2002). Um plano para conservação da espécie em nível de distribuição deve se basear no conhecimento da sua distribuição passada e atual, possibilitando uma avaliação mais precisa do seu estado de conservação e a melhor alocação de esforços e recursos para a sua conservação. Porém, informações de distribuição em grande escala são difíceis de serem obtidas. Uma alternativa é o emprego de modelos que predizem a distribuição espacial potencial baseado nos requerimentos ecológicos da espécie, extrapolando para áreas desconhecidas a partir de pontos conhecidos. Por essas técnicas é possível obter mapas que indicam onde a ocorrência da espécie é provável.

Utilizando os dados coletados no Projeto Distribuição da Onça-Pintada, esse projeto tem como objetivo estimar a distribuição potencial atual e futura da onça-pintada ao longo de toda sua distribuição, considerando modelos de mudanças climáticas e cenários de uso do solo no futuro. Resultados preliminares indicam que no Brasil, as regiões mais favoráveis para a ocorrência da onça-pintada no futuro (considerando apenas as variáveis ambientais) se concentram na área de transição entre o Cerrado e Amazônia, atualmente sob forte pressão de desmatamento (Tôrres et al., 2008). Resultados finais ajudarão a avaliar a eficiência do atual sistema de unidades de conservação e indicar áreas prioritárias para a conservação da espécie em longo prazo.

Tese associada:

Tôrres, N. Uso de Modelagem de Nicho Ecológico na Avaliação da Distribuição Geográfica da Onça-Pintada. Tese de doutorado, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO. Início: Março 2007.

Referências:

Sanderson, E. W., Redford, K. H., Chetkiewitz, C. B., Medellin, R. A., Rabinowitz, A. R., Robinson, J. G. and Taber, A. B. (2002). Planning to Save a Species: the Jaguar as a Model. Conservation Biology 16(1), S. 58-72.

Tôrres, N. M., De Marco Jr., P., Diniz Filho, J. A. F., and Silveira, L. 2008. Jaguar Distribution in Brazil: Past, Present, and Future. Cat News Special Issue 4, 4-8.

Fotos